jump to navigation

A morte de Virgílio [Der Tod des Vergil] 2009/01/26

Posted by gsavix in Doc.
Tags: ,
trackback

UTC-2

Ainda jovem, Broch assumiu a direção de uma empresa industrial de seu pai, herdeiro de família rica e tradicional austríaca. Somente depois dos quarenta anos resolveu escrever, começando com uma trilogia romanesca intitulada Os Sonâmbulos, um mosaico sobre a Alemanha da passagem do século.

Na Segunda Guerra Mundial quando a Alemanha invadiu a Áustria, em 1938, Broch emigrou para os Estados Unidos e ali dedicou-se a estudos de psicologia e comportamento, recebendo um prêmio da Fundação Rockfeller(* sic). Fez pesquisas na universidade de princeton, e nesse meio-tempo publicou dois romances: A grandeza desconhecida (1933) e a morte de virgílio (1947). Escreveu em seguida um ensaio consagrador sobre a obra de James Joyce, de quem admite ter recebido grande influência.
O romance-poema A Morte de Virgílio tem sido situado entre as obras maiores de literatura de ficção no século XX.

A renovação do gênero romance deve-se a Broch, tanto quanto a Kafka, Joyce e Musil. Seu método de comentário lírico, tornou-se célebre e é através dele que os últimos dias do poeta Virgílio são imaginados pelo autor. Na época em que escreveu a obra, o escritor estava dedicado há muito ao estudo da filosofia, da matemática e da psicologia. Até sua morte em New Haven, no final de 1951, Broch publicou pequenos ensaios e realizou conferências. “A visão do mundo proporcionada pelo romance” foi um dos seus trabalhos que mais repercussão tiveram na época.O tema de A Morte de Virgílio mistura a lenda e a verdade histórica, e ele foi concebido pelo autor numa prisão da Gestapo, onde passou cinco semanas antes de fugir para os Estados Unidos.

Foi em Princeton que a idéia foi desenvolvida, tendo aparecido em inglês e alemão no ano do término da Segunda Guerra. O monólogo interior de Virgílio é um debate de Hermann Broch consigo mesmo, em torno da crise espiritual do século e às voltas com a transcendência recusada no dia-a-dia. Dúvidas sobre a procedência do trabalho poético, sobre a ignorância que cerca o homem, sobre a função da arte num período de violência e angústia, foram transferidas para esse romance magistral, que fala ao leitor em função do grau de sua sensibilidade.

transcrição efetuada por

Gilberto dos Santos Alves

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: